sábado, 12 de abril de 2008

As dificuldades do primeiro emprego.

As dificuldades que existem para obter o primeiro emprego no mundo do trabalho se complicam diante da desconfiança dos empresários com aquelas pessoas que buscam um trabalho pela primeira vez. Essa atitude do empregador acontece principalmente pela falta de experiência do empregado. Segundo dados da SEADE (Sistema Estadual de Análise de Dados), hoje, o mais afetado pelo desemprego é o jovem. Desde a década de 80, o número de adolescentes em busca de um salário aumentou. A razão desse aumento se deve, por culpa das constantes crises econômicas que obrigam os mais novos a contribuírem com o sustento da família. Por não possuírem experiências anteriores, adolescentes de 16 aos 24 anos tem dificuldade para ingressar no mercado de trabalho. Os que conseguem um emprego ganham salários inferiores, ou arrumam empregos informais, sem carteira assinada. Para tentar solucionar essa situação foi criado o Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego pelo Governo Federal. Para que o Programa funcione, deve haver apoio por parte das empresas que estariam dispostas a contratar jovens estudantes.
Num primeiro momento, 77% das empresas concordaram em aceitar o programa. Agora, já no meio do caminho, 75% das empresas reclamam que os R$200,00 cedidos pelo governo para a contratação de cada jovem é muito pouco em virtude dos encargos que a contratação requer. Outros alegam: o dinheiro não é suficiente para contratar profissionais qualificados.
O CIEE (Centro de Integração Escola Empresa) vem realizando ótimo trabalho há várias décadas, com um programa avançado de estágios com jovens do ensino médio, técnico e superior. É preciso que mais instituições cumpram esse papel, mas, do outro lado, há as limitações do próprio mercado e das empresas em contribuir para que essa iniciativa vá em frente. Algumas empresas estão criando postos permanentes para estagiários do CIEE, que vão ter a oportunidade de mostrar toda a sua habilidade no período de 1 ano, após esse período outro jovem vai ter essa oportunidade e assim por diante. Quando possível, serão reaproveitados em uma nova posição.
Preocupado com a dificuldade que o jovem enfrenta em conquistar o primeiro emprego, o vereador Mario Celso Cunha sugere um projeto de lei, de inserção de jovens no mercado. O projeto proporcionará que jovens com idade entre 16 e 24 anos, cadastrados e sem nenhum vínculo anterior de emprego, tenham sua primeira atividade profissional com mais facilidade. De acordo com a proposta, o empregador deve obedecer as leis trabalhistas, cumprindo inclusive com questões sociais.

2 comentários:

Manuela disse...

Marise está muito bonitinho o seu blog...
a sua cara... hehehe
todo certinho...
adorei o texto do emprego...
só fiquei meio desesperada.. pq lembrei que estou desempregada...
huaahuahauaha
mas faz parte neh?!?!
Sucesso minha amiga...
vou passar mais vezes aqui...
relaxa...
bjim

Angeles disse...

Marise,
parece que não só os jovens formados passam por essa "crise" né? Existem profissionais experientes também que vivem uma realidade parecida.As fórmulas citadas no texto parecem de efeito ineficaz.
Vale lembrar que não é apenas uma relidade brasileira...pelo visto o capitalismo tem andado fora de rumo!
Bjs,